Barnum, um showman que tem uma tendência natural de enganar seu público, decide montar um circo na esperança de ficar famoso. Durante sua saga há ainda uma importante questão pendente em sua vida, uma paixão cega pela cantora Jenny Lind. Essa é a história de Barnum – o Rei do Show, em cartaz no Teatro Casa Grande.

Um dos mais cultuados musicais da história – que recebeu desde sua estreia, na década de 1980, uma dezena de prêmios Tony e até versão para o cinema – finalmente ganha uma versão brasileira. Após estreia elogiada em São Paulo, Barnum fez enorme sucesso também noTeatro Casa Grande, no Rio de Janeiro. Para a empreitada – que aqui ganha versão brasileira de Claudio Botelho, direção de Gustavo Barchilon, coreografia/direção de movimento de Alonso Barros e direção musical de Thiago Gimenes – foram escalados Murilo Rosa para o papel-título e Sabrina Korgut na pele da poderosa Charity – outros destaques são as atrizes Giulia Nadruz dando vida a antagonista Jenny Lind e Diva Menner no papel da mítica Joice Heth.

O elenco estelar dará vida a uma história real que ganhou, no decorrer de sua história, fãs, lendas e muita especulação. Enredo este que nos dias atuais ainda levanta debates importantes que ajudam a contar e a refletir sobre a humanidade, a igualdade e, claro, a inclusão. Barnum, como o nome aponta, é o musical baseado na vida do showman e empresário do ramo do entretenimento Phineas Taylor Barnum, cujo mais famoso empreendimento foi um museu itinerante que era uma mistura de circo, zoológico e personagens freaks, com destaque, por exemplo, para uma mulher de 160 anos.

Um comitê diverso foi montado para que a versão brasileira fizesse plena alusão aos dias atuais – a história do personagem principal fala de um mundo de outrora mas com questões ainda pertinentes ao planeta atual. “A diversidade é ponto central nesta versão contemporânea. Se em sua época ele poderia gerar controvérsias, é sabido que, amado ou odiado, verdadeiro ou mentiroso, Barnum levantou discussões calorosas”, afirma Barchilon. Afinal, o que é diferente? E por que não incluir e aceitar tais diferenças?

Para além do pensar, Barnum – O Rei do Show é sobre se emocionar. Já no foyer do teatro será criada uma cenografia para levar o espectador à atmosfera circense, bem como é esperada a cena em que Murilo Rosa anda, literalmente, na corda bamba. Cabe a Sabrina Korgut dar vida a sua esposa, a poderosa Charity – mulher que fez os sonhos do marido possíveis e que confirma a velha máxima de que junto de um grande homem sempre existe uma grande mulher – sendo este o verdadeiro coração da história.

Como toda história de amor tem seus oponentes, Giulia Nadruz interpreta Jenny Lind, a contratada para uma turnê que também é alvo de toda a atenção de Barnum – para o lamento de Charity. Já entre a trupe do circo, o destaque vem por meio da cantora recifense Diva Menner, uma mulher trans que emociona na montagem encarnando uma das atrações mais populares de Barnum: Joice Heth, conhecida em sua época como “a mulher mais velha do mundo”.

Simplesmente deslumbrante!! Barnum – o Rei do Show não deixa nada a dever aos musicais da Broadway, com o bom “ziriguidum” brasileiro. A grande surpresa é Murilo Rosa, famoso por seus papeis na TV, dando um show em um musical que, além de técnicas de interpretação e música, exige talentos circenses.

Não há muito o que falar sobre Sabrina Korgut: ela é uma das melhores atrizes de musicais do Brasil, e só prova isso mais uma vez em Barnum. Dá o seu recado com louvor. A química entre ela e Murilo fascina.

Todo o elenco de atores e bailarinos está impecável, e não poderia ser diferente em uma obra dirigida por Claudio Botelho. O diretor nos apresenta não apenas um show de arte e música, mas uma história de vida. Ele nos traz as paixões e contradições de um homem – o que gera total identificação na plateia. Barnum pode ser eu ou você.

Em cartaz até domingo, dia 01, Barnum – o Rei do Show é uma ótima forma de retomar a vida teatral nesse pós pandemia.

Muitos aplausos.

Serviço:

Teatro CASA GRANDE

Av. Afrânio de Melo Franco, 290 – a – Leblon, Rio de Janeiro – RJ, 22430-060

Classificação: Livre

De 11 de março a 01 de maio de 2022

Horários: sexta, às 20h30, sábado às 17h e às 20h30, domingo às 16h e às 19h30

Valores: Ingressos a partir de R$ 25,00 (meia entrada)

Compras via internet: https://www.eventim.com.br/artist/barnum/

Vendas na bilheteria do Teatro:

Horários: Terças e Quartas 12h às 19h, Quinta a Domingo das 15h até 30 minutos após o início da última sessão.

Duração: 100 minutos

Agradecimentos: Trigo Comunicação.

Beijinhos e até a próxima,

Lathife Porto

Escrito por

Lathife Porto

Meu nome é Lathife Porto, sou comunicadora e apaixonada por moda e beleza {acessórios são vício!}, arte e cultura, decoração, arquitetura, e entretenimento.

Moro no Rio de Janeiro, estou sempre em Paraty {RJ}, mas você pode me encontrar em qualquer lugar do mundo – principalmente no mundo virtual.