Irene (Priscila Bittencourt) é a filha do meio de uma família tradicional do interior, que um dia descobre que o pai (Marco Ricca) tem uma filha fora do casamento, também chamada Irene (Isabela Torres) e da mesma idade que ela. Revoltada com a descoberta, Irene passa a se aproximar de sua meio-irmã e da mãe dela, sem revelar sua identidade. É o início de uma cumplicidade entre elas, que passa também pela descoberta da sexualidade. Essa é a história de As Duas Irenes.

A história é tão impossível que pode ser real. E fica ainda mais gostosa de assistir com o cenário de interior do Brasil e a atuação de Marco Ricca. Aliás, Ricca movimenta a história central, mas não é o único talento no longa de Fabio Meira. Atuações talentosas e deliciosamente simples.

As Duas Irenes voltou do Festival de Gramado premiado: Melhor Ator Coadjuvante: Marco Ricca, Melhor Roteiro: Fábio Meira, Melhor Direção de Arte: Fernanda Carlucci, Melhor Filme – Júri da Crítica.

Um dos bons filmes dessa ótima safra do nosso cinema. Vivas!

Até a próxima,

Lathife Porto

Escrito por

Lathife Porto

Meu nome é Lathife Porto, sou comunicadora e apaixonada por moda e beleza {acessórios são vício!}, arte e cultura, decoração, arquitetura, e entretenimento.

Moro no Rio de Janeiro, estou sempre em Paraty {RJ}, mas você pode me encontrar em qualquer lugar do mundo – principalmente no mundo virtual.