Roberto, escritor ainda não publicado, está seguro de que o nascimento do filho é o marco para uma nova vida. No entanto, seu sonho ganha um sabor amargo e ele terá de se habituar com uma ideia diferente: ser pai de Fabrício, uma criança com síndrome de Down. A notícia provoca em Roberto uma enxurrada de emoções contraditórias. Ele se mostra envergonhado com a situação e insatisfeito com seus desdobramentos profissionais e na sua relação com Cláudia. Numa jornada de 12 anos, conflitos e descobertas irão revelar o significado da paternidade. Essa é a história de O Filho Eterno.
Assisti essa história pela primeira vez no teatro, em um monólogo estrelado por Charles Fricks. Era ele, a história, e uma cadeira. Mesmo assim a intensidade da interpretação nos fazia enxergar cada situação. Quando terminou, a primeira coisa que eu disse foi: “Gostaria de fazer algo tão bem quanto esse homem atua!”.
A adaptação para o cinema me causou curiosidade, obviamente. E um dos principais motivos pra isso foi a escolha do protagonista: Marcos Veras. Conhecido como humorista, Veras encarou a responsabilidade de um personagem de sentimentos controversos, e atitudes muitas vezes condenáveis. A boa surpresa é: ele se sai muito bem.
E está em ótima companhia: Débora Falabella interpreta a esposa e mãe, esbanjando o talento de sempre. Os meninos que interpretam o filho são cativantes – de todas as idades.
A gente se apaixona por Fabrício, defende a luta de Cláudia, e não consegue julgar Roberto. É uma história de família, de formas de amar, de aceitação. Uma história humana.
A direção de Paulo Machline é sensível, com bela fotografia e figurinos. Uma “obra redondinha”, que vai emocionar o espectador.
Pois é, mais uma vez O Filho Eterno me emocionou.
A 18ª edição do Festival do Rio acontece de 06 a 16 de outubro, e nós da VISÃO.ARTE estamos ligados em tudo, trazendo o melhor pra você.
Até a próxima, 
Lathife Porto

Escrito por

Lathife Porto

Meu nome é Lathife Porto, sou comunicadora e apaixonada por moda e beleza {acessórios são vício!}, arte e cultura, decoração, arquitetura, e entretenimento.

Moro no Rio de Janeiro, estou sempre em Paraty {RJ}, mas você pode me encontrar em qualquer lugar do mundo – principalmente no mundo virtual.