“O Jardim Secreto de Mariana” é um filme que, tanto em seu processo de feitura quanto na história materializada em tela, se consolida a partir de uma ruptura brusca e inesperada. Quando a pandemia do coronavírus irrompeu, o longa-metragem escrito e dirigido pelo premiado cineasta Sergio Rezende maturou por um ano até poder retomar a pós-produção e ser finalizado. Assim como o resto do mundo, a arte também precisou se adaptar, e a experiência, aos olhos do diretor, agregou um valor ainda maior à obra.

“Essa longa espera acabou sendo boa para o filme, pude revê-lo com um novo olhar e fazer várias mudanças. Espero que para melhor”, revela Rezende.

Um período de interrupções e reflexões seguido de profundas transformações é também a temática central vivida pelos protagonistas do filme, a bióloga Mariana (Andréia Horta) e o economista João (Gustavo Vaz). Na trama, o casal apaixonado parece ter uma vida perfeita, ambientada na bela chácara que chamam de lar e com a expectativa da chegada de um filho para aumentar a família, o maior sonho de Mariana.

 O relacionamento amoroso, até então inabalável, passa a sofrer em função do constante desgaste infligido pela impossibilidade de procriar. As dores, frustrações e ressentimentos do casal culminam em uma separação traumática, e é a partir desse distanciamento que os personagens mergulham no doloroso processo de reflexão sobre a fragilidade dos seres e das relações. “A realidade os coloca numa caverna bem escura, de onde intuem que só poderão sair juntos”, conta o diretor, fazendo uma analogia a Adão e Eva no Paraíso.

Para a protagonista Andréia Horta, Mariana é marcada por dualidades e contradições que a personagem tem dificuldade em aceitar. “O desafio em interpretar Mariana foi buscar a essência de seu desejo pela maternidade, enxergando a beleza e a grandeza disso dentro dela. Ao mesmo tempo, essa mesma maternidade representa uma barreira em toda essa potência natural dela. A construção desse papel é bastante sobre essa dicotomia”, destaca a atriz.
Cinco anos após a separação do casal, João parte numa longa viagem de bicicleta rumo ao encontro de Mariana, na esperança de convencê-la de que o romance nunca deveria ter acabado. O amor, que apesar de toda a mágoa ainda é intenso entre os dois, é então posto em xeque à medida que eles adentram uma delicada investigação emocional para confrontar as angústias do passado.
O ator Gustavo Vaz revela ter olhado para dentro de si ao construir as nuances e dimensões de João como homem contemporâneo. “É uma jornada dolorida em que o João precisa encarar seus medos e culpas, seu machismo, suas obsessões e projeções afetivas para finalmente se tornar o homem que precisa ser. É a jornada de transformação do masculino”, conta o ator, que encarou como um desafio pessoal e profissional interpretar seu primeiro protagonista no cinema. “Precisei mergulhar na minha sombra e no homem que sou, que permanece em construção, para encontrar a lógica do personagem”, conclui.
Para abrigar toda a complexidade da relação dos personagens com a natureza, assim como a de suas trajetórias individuais, a produção escolheu o Instituto Inhotim, em Minas Gerais, e o município de Nova Friburgo, na região serrana do Rio de Janeiro, como seus cenários naturais, onde foi rodada ao longo de quatro semanas. “Inhotim tem essa conexão da arte com a natureza, do belo com o humano. E Brumadinho ainda sofre as consequências da tragédia que viveu, nós queríamos mostrar que a cidade existe e resiste”, afirma a produtora do longa, Erica Iootty, em referência ao rompimento de barragem no município, em 2019.
Sinopse: “Em O Jardim Secreto de Mariana”, acompanhamos a história de João (Gustavo Vaz) e Mariana (Andreia Horta), um casal apaixonado que têm sua relação interrompida de maneira intempestiva. Cinco anos depois da separação abrupta, ele decide seguir seu instinto e parte numa longa jornada de bicicleta para tentar convencê-la de que o romance nunca deveria ter acabado. O amor, que ainda existe entre os dois, é então posto em xeque.
 “O Jardim Secreto de Mariana” tem produção da Arpoador Audiovisual e da Morena Filmes, e coprodução da Globo Filmes. A distribuição é da H2O Films.
Informações e imagens: Palavra.
Nos Cinemas.
Beijinhos e até a próxima,
Lathife Porto

Escrito por

Lathife Porto

Meu nome é Lathife Porto, sou comunicadora e apaixonada por moda e beleza {acessórios são vício!}, arte e cultura, decoração, arquitetura, e entretenimento.

Moro no Rio de Janeiro, estou sempre em Paraty {RJ}, mas você pode me encontrar em qualquer lugar do mundo – principalmente no mundo virtual.